Árbitro Sandro Meira Ricci lamenta não ter apitado final da Copa do Mundo e vê inexperiência como ameaça ao VAR | Rota do Sertão

ESPORTES

Árbitro Sandro Meira Ricci lamenta não ter apitado final da Copa do Mundo e vê inexperiência como ameaça ao VAR

08/01/2018 10:53 Juiz brasileiro na Rússia, Ricci anunciou recentemente sua aposentadoria. Árbitro Sandro Meira Ricci lamenta não ter apitado final da Copa do Mundo e vê inexperiência como ameaça ao VAR

Sandro Meira Ricci, árbitro brasileiro na Copa do Mundo da Rússia, revelou que quem atua no país recebeu o mesmo treinamento dado pela Fifa e, por isso, está preparado para usar o árbitro de assistente de vídeo (VAR, na sigla em inglês) que estreia nesta quarta-feira na Copa do Brasil. 

Por outro lado, ele mostra preocupação com o número de câmeras, a precisão da linha de impedimento e a inexperiência de alguns árbitros em jogos oficiais. Em entrevista, o árbitro de 43 anos recém-aposentado e cotado para ser o substituto de Arnaldo Cézar Coelho na Rede Globo, revela que ficou decepcionado por não ter apitado a final da Copa. "Fizemos um trabalho para merecer a indicação à final. Ficou a decepção porque queria encerrar a carreira com esse título."

Qual sua expectativa para a estreia do VAR nesta quarta? 
Os treinamentos do VAR no Brasil são muito parecidos aos que recebemos na Fifa. Torço para que os resultados sejam também parecidos. A diferença de estrutura pode interferir um pouco, principalmente no que diz respeito ao número de câmeras disponíveis e à precisão da linha de impedimento, que na Fifa é tridimensional. A questão da falta de experiência em jogos oficiais também pode pesar um pouco. Na Copa, a maioria dos árbitros de vídeo tinha bastante experiência porque eles vinham utilizando essa ferramenta em suas competições nacionais.
O que achou do VAR na Copa? 
A avaliação é muito boa. Nos 64 jogos, o árbitro de vídeo corrigiu 17 decisões equivocadas do árbitro de campo. É uma quantidade elevada de intervenções, mas o índice de acerto da arbitragem nas decisões capitais superou os 99%, o que é praticamente a perfeição. 
O jque pode melhorar? 
É preciso experimentar mais vezes o VAR em jogos reais, pois a realidade do jogo apresenta um cenário de pressão bem diferente do treinamento. O protocolo está bem claro para todos, mas a linha de intervenção, ou seja, o conceito de erro claro ainda carece de critérios mais objetivos para que as intervenções sejam mais uniformes. Defendo que as equipes deveriam ter direito a pedir pelo menos um desafio à arbitragem para torná-las protagonistas também nesse projeto de VAR, que é excelente.

Quais as diferenças entre atuar na sala de vídeo e no campo?
Trabalhei na função de VAR e na de árbitro em várias competições da Fifa e admito que a pressão na cabine do VAR, com no máximo dez pessoas, é bem superior à pressão no campo de jogo, com mais de 50 mil. O árbitro de campo tem a seu favor a necessidade de tomar uma decisão imediata com apenas um ângulo de visão. Por isso, seus erros são, muitas vezes, compreensíveis. Já o VAR não pode errar, pois ele tem tempo para poder ver a jogada por vários ângulos. 

Qual a sua maior dificuldade na Copa do Mundo?
Certamente o jogo de mata-mata, entre Rússia e Croácia, foi o mais marcante e emocionante por envolver a seleção da casa e ter sido decidido na disputa de pênaltis. Particularmente, a minha maior dificuldade foi lidar com a não designação para a final.
Você tinha expectativa de apitar a final da Copa?
Tinha. Acredito que fizemos um trabalho para merecer a indicação à final. Outros também o fizeram e ao final a Fifa tinha que escolher um e optou pelo argentino. Para mim, ficou a decepção. Queria encerrar a carreira com esse título. 
O que vai fazer agora?
Infelizmente não existe, formalmente, aposentadoria para árbitro, pois não recebemos nenhum benefício quando encerramos a carreira. Decidi pendurar o apito porque acredito que meu ciclo de árbitro de campo se encerrou. O processo de preparação para um Mundial dura três anos e exige muita dedicação. Deixei de lado muita coisa para participar de duas Copas. Agora quero me dedicar mais à minha carreira de servidor público e, quem sabe, a algo relacionado ao futebol, mas sem abdicar da convivência com minha futura esposa, filhas, pais e amigos.

 

Fonte:rotadosertao.com/com informações   Daniel Leal /Diario de Pernambuco

 

Credito Foto: Nando Chiappetta/DP

 

Tags: Árbitro Sandro Meira Ricci ,lamenta , apitado, final , Copa ,Mundo , inexperiência, ameaça , VAR
Comentários:
    Seja o primeiro a comentar...

Mais lidas

Por causa de um gato, homem é assassinado pelo vizinho a golpes de facão Bahia 10/01/2013 14:44 Por causa de um gato, homem é assassinado pelo vizinho a golpes de facão A confusão começou porque Linaldo supostamente matou o gato da...
Contratado para dar experiência à zaga do Santa, Danny Morais quer ser líder no clube Esportes / Pernambuco 03/06/2018 11:16 Contratado para dar experiência à zaga do Santa, Danny Morais quer ser líder no clube Zagueiro destaca papel nos problemas fora das quatro linhas e...
PM evita invasão ao Fórum de Frei Paulo Sergipe 10/05/2010 10:17 PM evita invasão ao Fórum de Frei Paulo Polícia é acionada por juíza para conter invasão ao Fórum...
Há oito anos Alagoas perdia o cantor Kara Veia Alagoas 27/03/2012 16:15 Há oito anos Alagoas perdia o cantor Kara Veia Cantor até hoje tem sua canções tocadas em emissoras de...
Novas eleições ocorrem neste domingo em 16 municípios Alagoas 04/08/2013 10:02 Novas eleições ocorrem neste domingo em 16 municípios Neste domingo (7), eleitores de 16 municípios de sete Estados...